Barra de Pesquisa

quinta-feira, 26 de março de 2015

Crime brutal - Mulher Maranhense é Esquartejada em Campo Verde – MT e é enterrada sem a cabeça

Alaine Dutra Vilar
A jovem Alaine Dutra Vilar, 19 anos teve sua vida interrompida pela crueldade de José Tavares Santos, 32 anos. No inicio do mês de março (2), a vitima saiu de um povoado localizado na cidade de Monção – MA com destino a uma fazenda próxima a cidade de Campo Verde – MT em busca de trabalho.

Alaine Vilar trabalhou durante uma semana em uma agrovila, onde conheceu um rapaz, e esse “bom samaritano” falou de um amigo que morava na Cidade de Campo Verde, dando assim o endereço para a jovem. Ela então falou com seus familiares que não havia mais necessidade de trabalhar naquele lugar, pois desejava um trabalho melhor na cidade vizinha, mas o que Alaine não imaginara era que um fim trágico lhe aguardava. Chegando ao endereço, ela se deparou com um pequeno ‘AP’ onde morava seu assassino; ela por sua vez não gostou do ambiente e foi se abrigar em uma casa onde tinha dois conterrâneos.
 
Informações dão conta que José Tavares foi até a casa onde Alaine estaria, e usando de força física levou ela a seu apartamento, matou-a asfixiada não sabendo o que fazer com o corpo, resolveu esquarteja-la. José confessou a policia que matou a moça, mais diz não se lembrar de tal ato, porém o inusitado é que ele soube informar com precisão de onde deixou os pedaços do corpo. O réu confesso disse ainda que a cabeça da vitima foi jogada no carro do lixo, dentro de um saco plástico e de forma tranquila, relatou que matou por ciúme. “As pernas foram abandonadas na obra, o tronco colocado dentro de uma mala.”, disse o delegado que cuida do caso.

A policia também disse que José Tavares estava foragido da Justiça do Estado de Alagoas. Parentes da Maranhense assassinada pedem justiça. O caso acontece no ultimo dia 15 com o desaparecimento de Alaine; no dia 17 começaram a encontrar os pedaços do corpo e só foi solucionado dia 19, mas a cabeça ainda não foi encontrada. Os parentes estiveram no Instituto Médico Legal (IML) e conseguiram reconhecer a jovem por uma cicatriz e a tatuagem nas costas da vitima.

O corpo da jovem foi enterrado em Campo Verde, sem a cabeça.


Fonte: Jornal a Corda