Barra de Pesquisa

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Puxa saco ou babão? leia e entenda o caso, você conhece algum?

A vida de um puxa saco é um eterno conflito com ele mesmo.


O puxa saco profissional atua em todos os ambientes em que trabalha.

Nas empresas que o contratam, ele está sempre ali achando lindo e belo tudo que seus patrões e superiores hierárquicos fazem.

Ele sempre é nocivo a sí mesmo. Pensa que a tristeza do que faz é elogiado por alguém. Até mesmo aquele patrão e diretor que são idolatrados por ele, tratam-o com nojo e desprezo quando tocam no seu nome e na sua triste vida da puxa saco.

O puxa saco prefere viver elogiando seus superiores que se concentrando no seu trabalho.

Nunca produz praticamente nada de interessante, simplesmente passa o tempo enrolando que faz alguma coisa e servindo aos infelizes patrões que tem que conviver com sua figura abominável.

Com o advento das redes sociais na internet, a tarefa de puxar o saco se tornou mais repugnante ainda.

O puxa saco, para agradar os patrões e o maior número de pessoas próximas ao chefe, passa a condenar, criticar e combater todos os inimigos dos seus superiores.

Quem combate os patrões do puxa saco é logo taxado de invejoso ou recalcado.

Para o puxa saco, o certo sempre é ele e seus patrões, sendo que quem é contra não merece respeito e deve ser desqualificado por ousar enfrentar quem não se dobra e nem aceita ser como ele.

Profissional na arte de bajular, basta um dos seus superiores entrar em decadência para ele buscar rapidamente outro postulante ao cargo para fazer rasgados elogios com a intenção de se fazer notar e garantir a proteção do futuro chefe.

Quando chamado a atenção por algum erro, o puxa saco, mesmo humilhado pelo patrão, esconde a humilhação de todos por medo do chefe ficar sabendo da sua revolta.

"Bajulador", "babão", "chupa-ovo" e muitos outros termos pejorativos são atribuídos ao puxa saco.

Os chefes e diretores dos tempos modernos preferem tratar o puxa saco de um termo mais light, mas não menos triste: dizem de um novo e ‘moderno’ puxa saco que ele “veste a camisa”, expressão para quem compra a briga dos patrões.

Quando atua no meio político, o puxa saco adota ações quase suicidas para agradar a quem ele bajula. Se intriga e comete gestos desesperados para se fazer notar pelo líder político.

Em Lago da Pedra, temos centenas, talvez milhares de exemplos de bajuladores, basta alguém tecer criticas ao atual governo do município, principalmente nas redes sociais, para que alguém saia na defesa da gestora.

Como é triste a vida de um puxa saco...



No entanto, qualquer semelhança com pessoas ou acontecimentos reais contidos neste texto terá sido mera coincidência.


Por: Claudio Sabá