Barra de Pesquisa

sábado, 19 de abril de 2014

CEMAR CORTA ENERGIA DO ARMAZÉM PARAÍBA INDEVIDAMENTE E DEIXA A MAIOR LOJA DE DEPARTAMENTOS DA CIDADE PARADA POR QUASE SEIS HORAS

TODAS AS CONTAS DE ENERGIA ESTAVAM EM DIA, MESMO ASSIM, FUNCIONÁRIOS DA CEMAR REALIZARAM O CORTE CONSTRANGENDO FUNCIONÁRIOS, CLIENTES E FORNECEDORES DA MAIOR LOJA DE DEPARTAMENTOS DA CIDADE.


A filial do  Armazém Paraíba, localizada à Rua do Comércio, em Santa Inês, teve seu fornecimento de energia interrompido na manhã de terça-feira, 15, por servidores da CEMAR (Companhia Energética do Maranhão). Mesmo com as contas em dias, as centenas de pessoas que se encontravam no interior da loja, ficaram às escuras.
 De acordo com Afonso de Oliveira, gerente do Paraíba, o funcionário da Cemar chegou na loja por volta das 10h30min e foi logo avisando que iria cortar o fornecimento de energia, mesmo ele apresentando os últimos 12 meses de contas pagas.
“Eu estava com as contas em mãos, ele nem quis ver, apenas disse que estava recebendo ordem e pronto!” disse o gerente da loja. O constrangimento, segundo ele, foi tão grande que “não tem definição”. No momento do corte, havia centenas de clientes e fornecedores no interior da loja. A conta de energia da loja do Paraíba na Rua do Comércio chega a R$ 26 mil reais por mês e vence sempre no dia 17 de cada mês quando é paga pontualmente, como foi no dia 17 de março, conforme comprovante obtido pelo AGORA, a próxima conta, portanto, só venceria hoje, 17 de abril.
“O constrangimento foi imensurável, todos presenciando aquela cena. O que os fornecedores irão imaginar?! Se não pagam energia, podem não nos pagar também?”, comentou o gerente.
 Nossa equipe de reportagem esteve no local e constatou que os doze últimos talões de energia estão pagos. Em média, o Paraíba recebe por dia, mil e setecentos clientes que realizam compras, além daqueles que fazem pesquisa e outros que vão apenas pagar contas. “Foi um prejuízo enorme para a empresa”, conta o gerente que foi à Delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência e logo após, buscou na Justiça uma Medida Cautelar para que a energia fosse religada imediatamente, entretanto o fornecimento de energia só foi reestabelecido por volta das 16h30min, provocando um prejuízo enorme durante as mais de seis horas em que a loja ficou praticamente às escuras.
 A loja do Armazém Paraíba têm em torno de 400 funcionários, e a empresa paga deve pagar de energia à Cemar próximo de 1 milhão de reais por mês em todo o Maranhão.
 A Cemar vem seguidamente desrespeitando seus consumidores e fazendo suas próprias leis na hora de cobrar as contas de consumo destes, além de afrontar uma lei municipal de outubro de 2003, de autoria do vereador Aldoniro Muniz, sancionada pelo então prefeito Valdevino Cabral Filho, que segundo o art.1º da Lei Municipal 357 de 29 de outubro daquele ano, “É vedada a interrupção do fornecimento de energia e água aos consumidores de Santa Inês, às sextas-feiras, aos sábados, aos domingos, vésperas e dias de feriados”. Além da lei do consumidor que conforme determina o art. 5º., inciso LV, da Constituição Federal, e as garantias asseguradas pelo código do Consumidor, não se pode interromper o fornecimento de energia sem o devido reaviso de vencimento de 15 dias a que o mesmo tem direito, uma fato em que a Cemar – que terceiriza serviços dessa natureza – vem sendo reincidente com frequência questionável.
 Neste episódio, ao menos dois importantes direitos do consumidor foram absurdamente desrespeitados pela Cemar. O gerente o Paraíba, prejudicado, vai entrar com ação contra a Cemar para se ressarcir dos prejuízos morais e materiais.

 acima a conta de luz e abaixo o boletim de ocorrencia

Por Santa Inês agora